.tags

. todas as tags

.Setembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30

.Setembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30

.links

.Cachadas

. Setembro 2008

. Agosto 2008

.subscrever feeds

.pesquisar

 
Domingo, 7 de Setembro de 2008

Geocaching na capital

 

28 - Ago - 2008

 

 

O regresso ao trabalho, após as férias, nunca é fácil. A cabeça continua a pedir as longas horas de sono, almoços tardios e passeios ao fim da tarde, aos quais se habituou nas semanas que passram. Para assegurar uma transição mais harmoniosa para a labuta quotidiana, nada melhor do que fazer uma geocachada ao fim da tarde, perto do local de trabalho. Esta fuga à rotina diária é tanto melhor quando se trabalha no coração da capital, no Terreiro do Paço.

A Susana foi ter comigo para um lanche na Baixa para acumular energias e depois pusemo-nos em marcha em busca das caches referenciadas no dia anterior.
Multi-Cache: Teatro [Olisipo]  
Subimos em direcção a Alfama, na senda da nossa primeira multi-cache. O tema destas caches cativou o nosso interesse, conhecer os vestígios deixados pelos diferentes povos, que ocuparam a zona de Lisboa, ao longo dos tempos histórico. Decidimos começar pelo princípio, ou seja pelos povos mais antigos, os Romanos. A cache está escondida nas ruínas do teatro romano, descobertas próximo do castelo, que por acaso já conhecíamos. No entanto, havia que descobrir primeiro as coordenadas exactas da cache num outro local próximo. As coordenadas iniciais, indicadas na página da cache, conduziam-nos a um ponto intermédio do percurso, no qual deveríamos observar uns números num edifício que somados a outras coordenadas dariam as coordenadas finais da cache.
Chegados próximos do GZ o GPS teimava em não estabilizar as coordenadas, andávamos às voltas e nunca encontrávamos o ponto exacto. Junte-se a isto o facto das notas tiradas para apoiar a caçada não serem as mais explicitas não constituirá surpresa se se disser que não demos com a cache!
Tradicional Cache: No Paço do Terreiro [Lisboa] 
Descemos as ruelas em direcção ao Terreiro do Paço dispensando o GPS. Só o ligámos para a aproximação final. Um passo após o outro, fomos caminhando na direcção do GZ. Uma vez encontrado o ponto exacto olhámos em volta… Era todo um mar de muggles, turistas, polícias, pessoas que caminhavam apressadas. Olhámos disfarçadamente em volta em busca do esconderijo. Achámos um local que nos parecia ideal, mas observar mais de perto chamava demasiado a atenção de um grupo de muggles Bifes que aguardavam a partida de um eléctrico turístico. Fomos fazendo tempo e lá partiram! Mas uma vez esquadrinhado o referido local, nada! Vazio!
Baixámos os braços e viemos embora.
 Tradicional Cache: Costa do Sol [ ESTORIL]
Apanhámos o comboio em direcção ao Estoril, frustrados pelo insucesso. Durante a viagem encontramos, no caderno de campo, as coordenadas de outra cache perto de casa, que havia ficado por fazer e decidimos tentar salvar o dia.
O GPS remetia-nos para o jardins do Casino do Estoril, fomos fazendo a aproximação final, mas a determinação do GZ revelou-se difícil! Próximo do local uma muggle repousava num banco e dificultava a procura. Ainda tentámos explorar alguns potenciais esconderijos, mas da cache nada! O resultado foi este.
Há dias em que mais vale não fazer Geocaching.   
publicado por Nuno Susana às 01:07

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2008

Geocachar sem sair de casa

 

Quando decidimos ir viver juntos começamos a tradicional intifada para encontrar casa. Parecia mais um dos trabalhos de Hércules conseguir conciliar todas as variáveis que estavam em jogo. O aluguer tinha que ser acessível, com um contrato de aluguer como manda a lei, para permitir a candidatura ao Porta 65 e a casa tinha de estar mobilada, equidistantes dos nossos postos de trabalho, entre outros.

Batemos a muitas portas, vimos algumas casas, mas depois encontrámos um verdadeiro achado! Um T1 no Estoril, bem pertinho do casino e a 100 m da praia, com um terraço com vista para o mar. O preço, esse era ao nível do de casas nas piores zonas da linha de Sintra. Negócio Fechado!
Vivemos portanto numa zona lindíssima, numa das mais belas zonas costeiras do mundo! Dizemo-lo sem qualquer despudor! Viver aqui tem-nos proporcionado passeios fantástico e conhecer sítios incríveis.
Sendo este um local tão belo não poderiam faltar as geocaches, a assinalar alguns dos seus ex-líbris. Por isso decidimos fazer uma geocachada sem sair de casa.
Procurámos as caches mais próximas de casa e depois do jantar, já pela penumbra, lá fomos nós, o cachemobile, esse ficou na garagem!
Azarujinha - GCM2FQ
A praia da Azarujinha é uma bela praia rodeada por palacetes, situada numa bela enseada no final do passeio marítimo que liga o Estoril a Cascais. Apesar de o já termos feito vários vezes não conhecíamos o local onde estava escondida a cache.
E justo assinalar o esconderijo da cache, o melhor que já vimos até agora … Quer dizer, os melhores esconderijos devem ser aqueles que não conseguimos encontrar J! Mas esta microcahe está muito bem escondida, devendo estar bem a salvo dos muggles.
publicado por Nuno Susana às 21:59

link do post | comentar | favorito